Tribunal Regional Federal da 1ª Região

início

Comunicação Social

Imprensa

Notícias

Tribunal mantém validade de acordo celeb...

Ir para Menu Ir para Conteúdo Ir para Busca Ir para Mapa Ir para Acessibilidade

Notícias

Tribunal mantém validade de acordo celebrado entre mutuário originário e BRB

05/09/13 14:00

Tribunal mantém validade de acordo celebrado entre mutuário originário e BRB

Por unanimidade, a 5.ª Turma do TRF da 1.ª Região negou provimento a recurso apresentado por cidadão que requereu a anulação do acordo firmado entre os mutuários originários e o Banco de Brasília (BRB). Consta dos autos que o apelante comprou, em dezembro de 1993, imóvel de casal (mutuários originários) mediante instrumento particular de promessa de compra e venda, conhecido como contrato de gaveta.

Trata-se de “contrato de gaveta’. Sendo assim, o comprador do imóvel não comprovou perante a instituição financeira a celebração do contrato e nem que poderia arcar com as prestações ainda pendentes. Em virtude do inadimplemento das parcelas, o BRB promoveu uma execução judicial que culminou com o leilão do imóvel, em maio de 2000, arrematado pela própria instituição financeira. Em 2003, o BRB realizou a venda do imóvel.

Para tentar contornar os efeitos judiciais da inadimplência por parte do 2º comprador (cessionário), o casal (mutuários originários) requereu a desistência de recurso especial interposto como também a homologação de acordo revigorando mandado de imissão de posse já cassado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO).

Inconformado, o autor entrou com ação na Justiça Federal requerendo a declaração judicial da legalidade do contrato, ao fundamento de que “a desistência fraudulenta amputou seu direito adquirido mediante contrato de gaveta, de ver declarada judicialmente a quitação do contrato, sem qualquer direito de defesa naqueles autos”.

Em primeira instância, o Juízo entendeu que o demandante, ao afirmar ser beneficiário da transferência, do referido imóvel, operada em dezembro de 1993, sob a modalidade conhecida como “contrato de gaveta”, deveria ter adotado medidas oportunas e objetivas, condizentes com o postulado contratual da boa-fé, no sentido de revelar à instituição financiadora a condição de cessionário com interesse na quitação do financiamento e a autonomia da posse que viera a exercer.

“Mas, ao contrário disso, assumiu o risco de permanecer na senda da ocultação, no exercício da posse clandestina, confessando opção pela temerária estratégia de atribuir a outrem missão de alegar em juízo questões cujo deslinde seria, por imperativo de lógica, de seu exclusivo interesse pessoal”, afirmou o magistrado a quo. Nesse sentido, julgou improcedente o pedido deduzido pelo cessionário de anular acordo celebrado entre o mutuário originário e a instituição financeira.

Contra a sentença, a parte autora recorreu ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região com os mesmos argumentos apresentados quando do ingresso da ação na Justiça Federal. O relator, desembargador federal João Batista Moreira, manteve a sentença proferida em primeira instância.

De acordo com o magistrado, “o cessionário adquirente de imóvel por meio de contrato de gaveta não está dispensado de se orientar pela boa-fé, para fazer valer a defesa e a legitimidade de seus interesses. No caso, o autor deveria ter buscado intervir na ação revisional do contrato, recorrendo da decisão em que homologado o acordo, ainda que na qualidade de terceiro prejudicado”.

Ainda segundo o relator, o apelante alega que pagou aos mutuários originários o preço da aquisição. No entanto, não efetuou o pagamento das parcelas. “O inadimplemento recaiu sobre os mutuários, sendo legítima, portanto, a conduta destes de tentar obstar os efeitos dessa inadimplência”, ponderou o desembargador.

JC

0010640-34.2004.4.01.3500

Julgamento: 28/08/2013

Assessoria de Comunicação Social
Tribunal Regional Federal da 1.ª Região

Edifício Sede I: SAU/SUL Quadra 2, Bloco A, Praça dos Tribunais Superiores

CEP: 70070-900 Brasília/DF - Telefone: (61) 3314-5225

CNPJ: 03.658.507/0001-25