Tribunal Regional Federal da 1ª Região

início

Comunicação Social

Imprensa

Notícias

INSTITUCIONAL: Especialista fala sobre a...

Ir para Menu Ir para Conteúdo Ir para Busca Ir para Mapa Ir para Acessibilidade

Notícias

INSTITUCIONAL: Especialista fala sobre a importância da fisioterapia pélvica para saúde no projeto Momento Qualidade de Vida e Bem-estar

08/04/21 08:50

INSTITUCIONAL: Especialista fala sobre a importância da fisioterapia pélvica para saúde no projeto Momento Qualidade de Vida e Bem-estar

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) promoveu, nessa quarta-feira, dia 7 de abril, a primeira live do projeto “Momento Qualidade de Vida e Bem-estar”, com a fisioterapeuta Taissa Moreno, especialista em fisioterapia pélvica e coordenadora do serviço de Fisioterapia Pélvica da Clínica Qualifisio. Ela abordou o tema “Descomplicando a fisioterapia pélvica: saúde e sexualidade da mulher”.

A fisioterapeuta iniciou a conversa ressaltando a importância da fisioterapia pélvica e explicando a localização e a função dos músculos pélvicos. Segundo ela, a fisioterapia pélvica “é uma área dentro da fisioterapia que trata e reabilita as disfunções da pelve ósseas, ligamentares e musculares”. 

Taissa apresentou os órgãos pélvicos da mulher: intestino, canal vaginal, útero, trompa, ovário e bexiga e falou sobre os sistemas importantes na pelve – excretor, urinário, obstétrico e sexual. “Uma parte dos músculos da pelve está relacionada à função sexual e os outros, mais internos, são responsáveis pela sustentação, coordenação e evacuação. O peso do útero, por exemplo, fica em cima da bexiga, por isso, a mulher grávida tem mais vontade de urinar”, observou a fisioterapeuta.

A especialista falou, também, sobre incontinência urinária, que consiste na perda involuntária da urina pela uretra. Ela destacou que a incontinência é mais comum nas mulheres do que nos homens, quando ocorre, normalmente, após cirurgias de próstata.

“O escape urinário pode acontecer fazendo esforço e, até, em uma crise de riso, pois é o aumento da pressão intra-abdominal que gera peso sobre a bexiga. Mas isso só é normal quando somos crianças, fora isso, não. Enquanto a pessoa tiver consciência, tem como controlar essa perda urinária”, alertou.

Para Taissa, os casos de constipação – retenção de fezes e dificuldade de evacuação – também merecem atenção: “três em cada quatro mulheres tem ou já tiveram constipação na vida. O grande problema no assoalho pélvico é que, cada vez que uma mulher tenta evacuar, força muito esses músculos. Às vezes, pode chegar ao esforço de um parto. Essa pressão abdominal é jogada em cima do assoalho, favorecendo hemorróidas, por exemplo”.

O último assunto do bate-papo foi pompoarismo. A fisioterapeuta esclareceu a diferença entre a técnica e a Fisioterapia. “A Fisioterapia te prepara para conseguir desenvolver a técnica do neopompoarismo – união das técnicas do pomparismo com a ciência – e para conseguir fortalecer os músculos do assoalho pélvico. Um pré-requisito é ter força muscular e o outro é ter coordenação, porque a técnica envolve a coordenação dos músculos do assoalho pélvico com os abdominais”, explicou Taissa.

A live foi transmitida pelo Microsoft Teams e pelo canal do TRF1 no YouTube. Caso você tenha perdido ou queira assistir novamente, o vídeo está disponível neste link.

PG

Assessoria de Comunicação Social
Tribunal Regional Federal da 1ª Região  

Edifício Sede I: SAU/SUL Quadra 2, Bloco A, Praça dos Tribunais Superiores

CEP: 70070-900 Brasília/DF - Telefone: (61) 3314-5225

CNPJ: 03.658.507/0001-25